segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

Bilhete

Há pessoas que gostam de frases cheias de pontuação. Mas você não.
Você sempre me vem com essa economia barata. Deixa-me tão poucas palavras, tão poucas vírgulas. E eu sempre encontro essa pequenez debaixo de algum bibelô frio.
Hoje não foi diferente; acordei e vi o bilhetinho. Amassado com a borda suja de café. Tão você...
Dessa vez tinham quatro palavras em caligrafia impecável me olhando. "Fui, mas sempre volto." Detesto esse pouco que me deixa, e adoro o jeito como só você sabe fazer a plenitude provir.

10 comentários:

Matheus disse...

Dia,...
Gostei muito do seu blog e tenho absolutamente certeza de que o seu blog seja merecedor de um selo super legal. Um selo legal para um blog super legal!

http://pracantarebeber.blogspot.com/2011/01/selo-1.html

Matheus disse...

Aah!!! Abraços... ^^

Giovanna Lundgren disse...

Cada vez fico mais apaixonada por seus textos, são lindos.
Beijos.

vell disse...

Sempre May, lindo. :*

Au disse...

Maiara, que bonito!
Quando o pouco que o outro oferece já nos é bastante, é o principal sinal que somos a parte do casal que ama mais. E eu não sei se isso é bom ou ruim...


Beijo!

Pegadas do Coração disse...

Gosto do jeito como escreve, você me faz inspirar.É.. Poucas palavras, mas com grandes sentimentos.
Bjo grande!
Volto sempre!

Caroline Araújo disse...

Ah, essas coisas também me deixam com os dedos mudos, e acho que está na hora disso terminar para mim :)
Quanto ao texto, que fofo. Tão delicado! Eu gosto muitíssimo dessa simplicidade de um bilhete escrito em um papel qualquer, mas com um imenso carinho. E você retratou magnificamente o quanto isso é belo, e quão sentimento tem atitudes tão simplórias.
Grande beijo!

Menina BR disse...

liiiiiiindo !

amei seu blog flor, ainda não conhecia, parabéns

Beijo!

Danii disse...

Mais um vez eu digo: eu consigo imaginar tudo exatamente como você escreve rs. Você tem um jeito com as palavras incrível :D Tão delicado, mas tão intenso ...
Bgs:*

Arianne Carla disse...

Mai, às vezes fico até sem jeito de comentar em seus textos, pois eles são de uma delicadeza espantosa e intensidade marcante. Lindo, como sempre, né.