quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Vingança


Lábios rubros de carmim,
Por onde escorre uma gota de vinho tinto
Na boca o gosto da bebida canta
Mas não é a bebida que sente;
O que sente é a vingança.

Seus passos tilintam no acrílico
Tem a face escura pela noite e pela ira
Nos dedos sente a frieza da lâmina
E no peito o músculo dança.

Medo ou adrenalina?
Não interessa, porque agora se aproxima.
Sobre o leito ela inclina
Beija a face com o gosto de um outro beijo
O que não lhe pertence,
E não mais pertencerá.

Faz a lâmina escorregar
E do peito que pulsa por outra,
Ouve-se o último suspiro.
E na língua venenosa,
O metal frio encosta
Tinge os lábios de vermelho vivo
Que arde, queima, sangra.

Prazer é o que sente ao olhá-lo pela última vez
O corpo que era seu,
Mas que jamais lhe pertenceu
E o que importa agora?
Ele não pertencerá mais a ninguém.

Parte carregando um sorriso sangrento
Tendo a lâmina como júbilo,
E a satisfação com o gosto de sangue;
Com o gosto da vingança infame.


# 27ª Edição Poema - BLQ

Bem, gostaria de dizer que esse poema foi uma coisa nova para mim, na verdade, acredito que todos os poemas que faço é sempre um risco, mas esse em especial foi realmente ousado de minha parte. Enfim, comentários são sempre um deleite para mim, e eu fico muito grata por todos eles.
Beijo grande.

12 comentários:

Lucas Stefano disse...

Gosto de coisas inovadoras sempre. Seu poema é um desses que gostei. Bem original Bom de ler, e põe a gente pra interpretar.

Karine Lima disse...

Oi, adorei teu blog!
Tá ótimo!!! To seguindo aqui,
visita o meu e se gostar siga!
beijo.

http://livreelouca.blogspot.com/

Elania disse...

Maiara, esse poema, eu AMEI. Gosto de coisas assim, que fujam da coisa habitual. Que me façam estremecer ao ler, ou me arrepiar.
E este poema em si, me fez os dois.
A vingança é uma faca de dois gumes, pq enquanto machuca, vai machucando a si mesmo. Mas vc descreveu como se fosse um...prazer essa tal vingança.
Muito bom. Sem mais.

Monique Premazzi disse...

Eu simplesmente AMEI esse poema, ficou realmente demais.

A vingança não é o melhor caminho para resolver as coisas, pois acabamos que sofrendo também. É verdade, mas no calor do momento, no calor da ira, nada pode nos parar. Depende da coragem que cada um possui.

Sério, ficou demais menina. Você arraza!

Cuide-se! <3

Pegadas do Coração disse...

O seu poema ficou show de bola!
Parabéns, Maiara!
Bjão. Sorte pra tih!

C. disse...

Conforme o ditado popular, "a vingança é um prato servido frio", mas nao acho que deva ser servido frio nem quente, pois é um alimento degustado com infelicidade e desprezo.

Uma escultura de palavras seu poema!

Gabriele Santos disse...

nossa que intenso.
Tão diferente de tudo que ando lendo. Realmente inovador.
suas palavras nos levam a imaginar toda a cena como se vivêssemos todos os sentimentos ali presente.
Parabéns guria.

Posts disse...

Parabéns! Um belo poema...

Jaynne Santos disse...

Arrepios sólidos perpassaram por todo meu corpo o estremecendo com a sensação de adrenalina que esse seu poema fez circular em minha corrente sanguínea.
Cada palavra parecia se infiltrar em diferentes orgãos vitais de meu ser, arrancado-os e devolvendo-os ao mesmo tempo.
V-I-N-G-A-N-Ç-A!
Foi o sentimento agudo que o seu poema me passou!

Minha torcida é sua no BLQ!

Beijão;

Jaynne Santos disse...

Ah, tem selinho pra você no meu blog!

http://jaynnesantos.blogspot.com/p/selos.html

Beijo;

• cynthia bs disse...

Nossa!
Hááá... delirante esse!
As palavras são sinceras, como sempre. Mas muito mais ousadas! E isto complementa o sentido de vingança. Adorei, Maih!

Beijinhos **

JeJeLs disse...

Parabéns, o poema ficou maravilhoso!
Merecidíssimo primeiro lugar no BLQ
=D