sábado, 26 de março de 2011

Acácia


Encontro de mãos, olhos, pele.
É só distração, diversão,
Não se ingere

A noite chegou, a cama ocupou;
Outras mãos, outros olhos, outras peles.
E nada sobrou, e tudo repele.

Almas perdidas
Fome incontida
Amor e ferida
Outra despedida

Acácia em pedaços
Exige mais um maço
Os olhos marcados
O coração em aço

Mulher sem pudor
O corpo doou
A alma perdeu
E nada restou

Com conhaque nas mãos ela exclamou:
Hoje beberei do amor.
Engoliu, cuspiu, enjoou
Ressaca moral do agressor
Esqueceu-se de como um dia o tomou.

22 comentários:

Elania disse...

É como uma ferida em eterno sangramento. Essa cara, essa alma, esse corpo, é como uma pessoa que não sabe se já passou por isso ou por aquilo, porque já não importa.
Mas sabe, que aquilo que bebe hoje foi o que feriu ontem, mas esconde.
Entendeu minha moral?? haha.
Mlr, gostei muito do poema mesmo *-*

bjjs

C. disse...

É assim o jogo do amor, quando se é permitido. Palavrinha mais válida essa num é - permissão. E daí quando nos permitimos e nos deixamos levar por essa insanidade sana, e vamos vivendo as emocoes levitadas, seguindo o caminho, feito rio, sem noção do perigo que vem, acordamos sobressaltadas, e ressacadas.

Saio eu levitada daqui... belo isso amiga!

Grande beijo.

rafaela ivo, disse...

É sair em desespero, procurando algo para esquentar a cama, pra esvaziar a mente, pra preencher o corpo... Não é algo, porém, que satisfaz a alma, que faz sorrir. Só dá prazer, e foi-se, acabou, não resta mais nada, acabou o prazer, chegou a dor. Muito forte esse texto, meio pesado também. Mas bonito, mostra alguns dos erros humanos. Parabéns Maiara, sempre chego aqui e vejo teu talento. Beijão!

Arianne Carla disse...

Que saudade de vim por aqui... E sempre saio daqui com uma grande leitura.Gosto demais do jeito que você usa as palavras! Elas sempre são reflexivas para mim. Lindo demais, Mai.

Lucas Stefano disse...

Massa esse poema .Deu gosto de ler. Parabéns.

joshuatree disse...

Distrair-se e divertir-se, não ocupa espaço da mente, nem no coração. É passar e pronto!
A fome sempre acompanha, e sempre roubamos aquela maçã da vida, para come-la quando se fizer necessário.
O Amor é nuvem cristalizada,há que se quebra-la entre os dedos, e beber do que molha o desejo.

Lindo poema, depois dele,a gente silencia.
Abraço.

Jefhcardoso disse...

Maiara, na busca do amor ninguém é inocente. Engoliu, cuspiu, enjoou, e assim foi. Abraço! Parabéns pela composição!

Convido para que leia e comente O Caminho Para Casa de Portinari no http://jefhcardoso.blogspot.com/

“Que o dom da escrita me sirva como arma contra o silêncio em vida, pois terei a morte inteira para silenciar um dia” (Jefhcardoso)

Monique Premazzi disse...

Pessoas que vem e vão nas nossas vidas. Pessoas que não podemos evitar ter em nossas camas por um tempo.
Texto forte, ficou demais esse poema Mai. Amei *-*

SE CUIDA AMIGA s2

Minne disse...

É como se a necessidade não fosse suprida, que ainda resta algo e esse algo ficou incompleto, afinal, distração não passa de distração, é mais um engano momentâneo que resulta mais tarde na solidão. Mas Maiara, esse teu poema foi altamente intenso, acho que o melhor que li por aqui, maravilhoso viu ? Parabéns.

Joyce C. disse...

Eu gostei.
De cada palavra de teu poema tão agridoce.

Bonito!

Beijos, Maiara.

É muito agradável ler o que escreve.

Giovanna Cóppola disse...

Lindo, ácido. Tocou fundo aqui.

Suzi Lima disse...

Resultado da postagem "Divulgando:Billy":
(Hoje só estou divulgando...depois passo no seu blog com mais calma^_^)

Nunca vi alguém demorar tanto pra criar um Blog (e ainda passei um mini tutorial pra ele...). Ok, finalmente, o Walther Wasque criou um blog para mostrar as suas tirinhas. Estou apenas repassando o link para os que se interessaram. (Não reparem na aparência do blog, ele ainda é noob nessas coisas...). É isso. Se curtir,siga (sempre é bom apoiar quem está começando) ^^:

http://walther-wasque.blogspot.com/

Pedro Menuchelli disse...

Bem Mai,
Sempre quis poder tal serenidade e inteligencia para organizar minhas palavras, de forma que as tais conseguissem montar um poema tão lindo como o seu. Além do mais, você é uma das poucas pessoas que me orgulho em dizer que, mesmo sem te conhecer pessoalmente, consigo sentir a sua sinceridade explicita. É muito bom quando chego e leio seus comentarios em meu blog. Confesso-lhe que são sempre motivos de esperança e de sempre continuar persistindo em muita coisa que deveria desistir há um bom tempo. Você é uma pessoa de bom coração e boa indole. Espero que sempre continue cativando as pessoas com sua forma de ser e de agir. Um grande beijo e uma ótima semana,

Com muito carinho, Pedro.

Jaynne Santos disse...

Mai, me perdoe se por alguns dias eu não puder passar aqui, hoje começo minha faculdade, e você deve imaginar como será tudo corrido para mim. Farei um esforço grande para poder trazer meu 'cachorrinho' para passear frequentemente e deixá-lo feliz.
Enquanto a esse seu poema, eu o chamaria de valsa das palavras, porque aqui elas dançaram elegantes sobre o salão dos meus olhos. Cada palavra perfeitamente sincronizada! Amei mesmo.

Grande beijo;

. Nadine disse...

As vezes o amor pode ser uma bebida amarga, e o que temos que fazer é esquecer, ou pelo menos tentar. Menina, tu escreve divinamente bem. Um encanto! Beijos.

Yohana SanFer disse...

Poesia na veia!rs...lindo post moça, texto e imagem! Fico feliz que tenha gostado do meu último texto tb, seja empre bem vinda!

César Dias. disse...

Simplesmente lindo, adorei, isso foi muito intenso e um tanto quanto musical. Parabéns, admiro muito você.tem muito talento, beijos.
se puder me faz uma visita.
http://freesante.blogspot.com/

Bard disse...

Palavras de rara perfeição...
Encontrei um novo local para ler belas palavras que expressam uma alma vibrante...

Non je ne regrette rien: Ediney Santana disse...

"Acácia em pedaços
Exige mais um maço
Os olhos marcados
O coração em aço


"
imagens cortantes e quem me deseja assim um coração aço? creio que quase todos queriam
Ps- uma poeta pela net...coisa boa

• Cynthia Brito • disse...

Tem dias que devem mesmo ser diagnosticados... Ai, Maiara, seu poema está, realmente, lindo. Com uma estrutura muito bela, essa junção de rimas que, você tem um dom incrível para arrumá-las e, enfim, você sabe lidar com as palavras. E o tema muito bem explorado; além de ser algo meio comum na sociedade. Quantas vezes essa agressão ao nosso amor afeta nosso instinto feminino, além de, claro, massacrar nosso coração? A gente sempre deve dá aquilo que nos queremos para nós - e sem visar nada em troca. Mas é difícil acreditar e aceitar que embora estejamos dispostas a não receber nada, sejamos inundadas com uma podridão intensa de uma personalidade sem caráter que nos toma o corpo e leva junto a alma, o coração, nossa bela essência. "E nada restou"...

Triste :x

Beijos Maih.

Com amor,
|Cynthia|

Monique Premazzi disse...

É sempre bom ler seus comentários Mai. Eu costumava escrever muitos textos tristes no inicio do blog, mas parei de deprimir quem lia meu blog, então passei para os melosos demais. KKKKKKKKKKKKK Que bom que gostou do texto *-* Você é uma fofa.

Beijinhos e se cuida s2

Caroline Araújo disse...

Mai, você é uma querida. Agradeço a todos os seus comentários e aos parabéns, assim como agradeço por compartilhar conosco os seus textos.
É impossível passar por aqui e não deixar um uma parte de nós caia ligeira e escorregue para dentro das suas linhas; E fique ali descansando, sonhando, amando cada rima, cada estrofe.
Tomo em goles desastrados e ansiosos cada sibilar do seu poema, para que esse se torne íntimo meu e me canta repetidas vezes a sua extrema beleza!
Que ótima poeta és tu.
Grande beijo querida.