quinta-feira, 10 de março de 2011

Perfeita imperfeição


No espelho ela encara o lapso da vaidade cerrada
Pelos cantos dos olhos a tinta negra vaza.
Apreensiva refaz os traços,
Antes que olhos alheios causem algum embaraço

Deleita-se admirando a máscara perfeita
Sorri sentindo-se enfim, satisfeita.
O batom devidamente expressivo;
Os olhos devidamente escondidos.

Dia após dia ela cria uma nova personagem
E dentre os figurinos ela acorrenta a real personalidade
Já nem sabe se ainda a tem,
O que sabe é que a aparente perfeição lhe cabe tão bem...

E nas horas de tinta escorregadia,
Sente que o eco de ser esbarra nas paredes do seu cerne
Mas ela o ignora, como de costume inerte.
Os sentidos que parta, e o verbo carregue.
Porque a sensibilidade já fora abandonada numa esquina vagabunda;
Num chão sujo de uma rua imunda.
E quando ela volta a atormentar
A mulher finge não se importar.

Hoje as máscaras lhe sobram em demasia
Encenam a perfeição numa face vazia
Um sincronismo apático circunda os atos
E o eco das dores o oco agracia
No ensaio da mentira do outro dia.


* 29ª Edição Poemas - BLQ

Confesso que escrever esse poema me deu uma alegria danada. Foi um tema gostoso de explorar, e eu realmente já havia feito alguns esboços sobre ele. Pois bem, espero que gostem.
Beijão.

15 comentários:

Jéssica disse...

Adoro ler seus texto,eles são perfeitos,sempre fico com o gostinho de quero mias...
Gostei muito!

grande beijo!

Arianne Carla disse...

Ah, Mai. Este está entre os mais belos que já li por aqui... E olhe que todos os seus textos, poemas e poesias sempre estão impecáveis e maravilhosos. Mas este... Ah, me fez viajar e flutuar em cada verso e rima. "Porque a sensibilidade já fora abandonada numa esquina vagabunda". Gostei demais, parabéns!

Sapequinha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Monique Premazzi disse...

Poema ficou lindo mesmo. Realmente esse assunto é bem legal de escrever!
Acho que muitas pessoas já passaram por momentos assim, que estão tão para baixo que precisam criar uma mentira e acreditar o bastante para seguir com ela.

Lindo demais! Você arraza menina <3 E fico tão contente com seus comentários no conto, que bom que está gostando *-* Volte sempre! Se cuida :*

. Nadine disse...

Nossa, que post foi esse em menina? Isso sim é perfeição, sem palavras ;x
Beijos.

• cynthia bs disse...

As palavras foram deliciosamente suaves e sensíveis. Tudo saiu muito bom, muito bem organizado.Está lindo, Mai ** Aliás, seus textos sempre são impressionantes, sejam eles escritos no gênero que for. Este, porém, está bem ousado, se é que posso resumi-lo assim.
Mas bem, parabéns pelo dom! Sempre adoro vir aqui :)
Também quero muito agradecer por suas visitas constantes e suas palavras sentimentais que você deixa em meu blog. Obrigada mesmo!
Ah, tenho um meme para você em meu blog, espero que goste. Está aqui http://cynthiadayanne.blogspot.com/p/selos_07.html

Com amor,
|Cynthia|

Thaís disse...

Nossa, que inveja! (No bom sentido, claro, hehe). Se tem um gênero que tenho muita dificuldade de escrever e fazer a imaginação fluir, é o poema. Mas você consegue escrevê-lo perfeitamente bem, parabéns!

Confesso que esse poema me lembrou a época da minha pré-adolescência na parte "Dia após dia ela cria uma nova personagem". Sabe aqueles momentos em que você necessita ser aceita por todos e começa a agir de uma forma diferente do que você realmente é? Então, eu era bem assim. Passado obscuro, kk.

Caroline Araújo disse...

É tão incrível o modo intenso e vivaz com que eu pude sentir e ver a sua felicidade, mesmo que só você a tenha vivido e saboreado. As suas palavras retratam de fato esse prazer que você tem em deixá-las escorregar por entre os seus dedos, Mai. Essa afinidade entre você e as palavras é admirável, e eu sempre insistirei em convencer todo o mundo de tal verdade - tarefa fácil e agradável, pois o seu talento é evidente.
Entre as máscaras que me faltam está a da perfeição; Não o sou e nem tento o ser, mas se eu a possuísse, tirá-la-ia de meu rosto e colocaria satisfeita no seu; E saberia que tal máscara não denunciaria ou significaria uma farsa, mas sim a perfeição plena e verdadeira que é a sua escrita.
Grande beijo querida.
É ótima estar de volta, e melhor ainda deleitar-me diante de tão maravilhoso poema; Isso me fez tanta falta...

Gêsa disse...

Muito bom o seu poema, um gênero interessante e um tanto quanto complicado para ser criar.
Gostei do enredo da vida do eu lírico, uma vida que mesmo fantasiosa parece muito com a real se olharmos bem.

Até mais, (:

sawuelbruno™ disse...

gostei muito desse Blog, textos muito interessantes,
passarei sempre por aqui pra acompanhar as postagens e atualizaçoes, ;)

voce esta de Parabens pelo Blog Linda :)

Att,
sawuelbruno™

http://sawuelbruno.blogspot.com/

Joyce C. disse...

A ideia, a escolha de palavras, letra por letra sendo conduzidas. Então surge um bonito poema.
Gostei mesmo!

Beijos, Maiara!

Raíssa Santos disse...

Eu tenho pavor desse tema, odeio essa idéia das pessoas terem máscaras... Você escreveu TÃO bem esse tema que me deu profundos arrepios. Eu tenho trauma com isso, sabe? Conheci pessoas com máscaras, demais. ):

Seu jeito de escrever poemas é adorável! *-*

Beijos

Sabrina Torres disse...

- Acho que todos usamos mascaras todos os dias, dependendo de onde estamos. De tantas mascaras que usamos não sabemos realmente o que somos. Fica dificil diferenciar a verdade da invenção, pois a invenção pode ser tão perfeita que ela pode conviver conosco sempre em uma perfeita imperfeição.

Bjinhos ;*

Gabriel G. disse...

sua poesia é livre e suas palavras suaves. Tamanho dom não se encontra por ai, viu? Continue tratando-as assim sem prender e sem ferir.
Beijos

C. disse...

É tao incrível como acostumamos a viver de máscaras, como a do palhaço, disfarçando dores, fingindo alegrias, mentindo a verdade.

Queria eu ter escrito esse poema, porque me identifiquei também e é bom dimais.