sábado, 5 de março de 2011

Saudando a saudade


Permanece aqui presente o reflexo distorcido e perfeitamente aceitável dos tempos passados, dos cheiros, gostos, toques. Recomposição da memória atina - ainda -, me faz fábrica incansável de suspiros. Prisioneira de cadeias nostálgicas. Mas há algo de errado, porque no meu rosto riscado pelos raios mornos de fim de tarde, sinto que a liberdade me encara de perto.

Evito a palavra que me invade sem pedir passagem, porque tudo já é tão conhecido. Saudade. Diria que a tua presença sustenta um incômodo inconformado. Mas mentiria se assim fosse. Porque tão afável é o seu nome, e tê-la aqui é um verdadeiro júbilo, já que se não existisse para mim, não haveria lembranças. E viver sem lembrar descarta qualquer possibilidade, isso seria o fim sem posterior recomeço, seria uma quebra de ciclo, algo se anulando em um universo qualquer, e que passaria totalmente despercebido, ninguém jamais desconfiaria sequer de sua existência. Então digo que a recompensa é válida. Digo que você, saudade, pode ficar, inundar-me como hábito costumeiro. Divertir-se com os meus suspiros e olhares para o céu noturno, pois sim, dance em meu silêncio, porque em algum lugar futuro eu danço findando a sua presença.
Sei que me espreita sempre, jamais me abandona, e nem quero. Mas quando eu pedir para que se distancie; quando a sua causa mostrar-se para mim, apenas seja uma espectadora silenciosa, e esqueça-me, só por algum tempo, porque afinal, você ama a minha melancolia.

E quer saber? Julgo reconfortável essa verdade com cheiro de ontem, intacta, mesmo gasta, porque me faz hoje a figura que sou.
A moldura que me cerca tem textura incerta, porque tocar em seus traços melancólicos exige um outro esforço que não esse de mãos e pele, é muito mais aquele com pálpebras descansadas e olhos mirando o cerne.
Entender afrontaria o seu propósito, não é verdade? Nenhuma saudade permitiria a prega de legendas, então me oferece sempre essa dispensa de traduções. Em silêncio, sussurro: entendo-a. E faço isso só para contrariar-te, já que mesmo quando canso de seu olhar fixo você não o desvia, então o que me resta é saudar-te. E assim, de cara mansa e alvoroço no peito, ofereço-te as minhas singelas saudações. Então aceite-as sem bater, porque a porta já está aberta, como você já sabe.

13 comentários:

Ju Silveira disse...

Saudade é um dos unicos sentimentos que ainda guardo comigo D:

seguindo aqui


http://balladofgirl.blogspot.com/
http://caprichadamente.blogspot.com/

Pegadas do Coração disse...

A saudade sempre deixa um vazio, um espaço,no qual precisamos fechá-lo rapidamente.
Bjos. Um ótima semana!

Jaynne Santos disse...

Mai, acho que ninguém nunca falou tão bem da saudade como você nesse brilhante texto, tão cheio de literatura. A forma como você colocou esse sentimento que todos que já amaram sentiram foi não tão somente genial como inovador.
Suas palavras reconfortam a alma de quem as ler e preenche cada e todo espaço, sem deixar vazios, sem deixar rastros e muito menos dúvidas. São textos completos, aprimorados pela sua paixão e dedicação.

Ah, avaliei seu blog lá no tópico do bloínquês, já que a Karolyna não avaliou. Fui sincera!

Grande beijo;

Jéssica disse...

Belo texto... A saudade é uns dos sentimentos que mais me incomoda, ela é uma incerteza.

se puder passa lá no meu blog!!!

http://jessicahiorrana.blogspot.com/

bjo!!!

• cynthia bs disse...

Saudade... É sempre bom deixá-la ficar, é sempre bom saudá-la e senti-la. Aliás, adorei a forma como você relatou-a aqui. E, sim. "Viver sem lembranças descarta qualquer possibilidade". Nossa! A inspiração e criatividade aqui soou de forma claramente bela. Adorei, Maih!

Beijos

Com amor,
Cynthia ;*

Gêsa disse...

Primeiro tenho que elogiar o seu modo de escrever, muito bom - de verdade.
Tenho com a saudade uma relação muito próxima, na maioria das vezes ela me persegue vez ou outra eu a procuro, pois só assim lembro de uma certa felicidade, mesmo que pague o preço de também lembrar da dor.

. Nadine disse...

A saudade é um dos sentimentos mais urgentes que existe, já dizia Lispector.

Obrigada por me seguir, estou te seguindo também. LH é minha banda brasileira favorita <3. Eu adorei o seu blog, e suas palavras são encantadoras. Concerteza virei mais vezes aqui também! =D Abraço.

Thaís. disse...

Tô encantada com a forma linda que você desenha teus sentimentos, aqui. Lindo, lindo, lindo... Mil vezes lindo. :*

Ju Silveira disse...

Saudade, saudade...
http://balladofgirl.blogspot.com/
http://caprichadamente.blogspot.com/

Dani Ferreira disse...

Awn Mai, estou sem palavras, admirada com a maneira que você descreveu a saudade. Eu tenho a saudade pra mim como algo bom. Às vezes dói, claro. Mas acho que a sensação de reviver e saber que algo nos fez tão bem é maior do que a angústia que ela pode provocar. Acho que é o primeiro texto que eu leio que não "fala tão mal" da saudade. Ler ele trouxe uma sensação muito gostosa :D
Bgs:*

rafaela ivo, disse...

Teu texto é uma série de palavras bem colocadas, como se fossem palavras perdidas que tu achou, e as fez se encaixarem no lugar certo. Traz um encanto, um estilo rebuscado de escrever, é algo muito bom de ler. Senti tudo que o texto expôs. E bom, namorar à distância é realmente difícil... Mas enfim, fiquei encantada contigo, e grata pelo comentário ;) E eu vou seguir também, porque quero ler mais dos teus encantos!

Beijão!

C. disse...

Uau, nao acredito estou dez dias sem vir te ler Maiara, mil vezes sorry!

C. disse...

Teu discurso foi como se estivesse pegando na mão da mente e caminhando pelas suas rotas. Pude sentir o gosto bom da saudade. E sim, o gosto é bom ;)