segunda-feira, 18 de abril de 2011

Retrocesso sem regresso


And you know how much I need you
but you never even see me.

Shiver - Coldplay


Eu tenho errado no café. Às vezes fica forte demais, às vezes fraco demais. Perdi o ponto. Perdi você. E ganhei o hábito de fazer as coisas erradas.
Desaprendi a ler dignamente; já não sei ver TV, ainda assim deixo-a ligada apenas para evitar solidão. Mas isso é uma mentira a mais para eu acreditar, porque no fundo sei que de nada adianta, a solidão continua com os olhos cravados em mim.

Eu abandonei até o piano, porque não quero que o meu erro atinja as suas tão fiéis teclas.
Já não sei como escutar Coldplay, porque os meus pelos não eriçam quando Shiver começa a tocar, pois já não faz mais sentido para mim. A letra da música se perdeu em algum lugar do passado, e quando ouço a sua melodia, lágrimas cortam o meu rosto. E esse é mais um dos meus novos hábitos após-você.

Eu sei que prometi a mim mesma que ficaria bem, mesmo que fosse sem a sua presença, mas quebrei a minha promessa. E ando tombando em meus próprios pilares. Ando desorientada, fazendo tudo por fazer; fazendo tudo sem saber.
Pergunto-me porque antes de conhecer você tudo era bom para mim, e aí lembro daquele encontro inesperado, daquela coisa de trocar telefones e se ver depois, e nos vemos mesmo. E agora, onde está o seu telefone? Trocou o número? Trocou a mim.

Por que não podemos começar tudo de novo? - Essa é a minha pergunta irracional de todos os dias. E eu mesma encontro a resposta, porque sei que é impossível apagar o que passou e fazer mais uma vez aquele começo. Já nem podemos reinventá-lo, você mudou sem o nós por perto, e eu apenas te observei em sua metamorfose, então você bateu asas e se foi. E a porta aberta que você deixou foi o sinal da falta de amor. Então o que fazer quando o amor acaba? Na verdade, eu não sei, porque ele não acabou para mim. Por isso só me resta o erro, e um desaprender de tudo.

A dor se apresenta enfim, mas não sei se o que sinto é dor, não acho definição exata para isso. Mas é algo que mexe com o meu corpo e a minha mente. E a culpa é sua, claro, você causou esse transtorno em mim. Você me moldou para caber em você e depois trocou os seus formatos. Isso foi cruel de sua parte. E eu te odeio por isso. E para ser sincera, me odeio ainda mais, por simplesmente não conseguir te odiar. Mas eu venho tentando aprender; inventando uma amnésia; pedindo aos quatro ventos para levar o seu nome para longe. Mas está difícil, sabe? E as vezes acho mais cômodo ouvir Shiver e chorar.
Está ouvindo? Ela está tocando agora, e manchando as minhas palavras em um apelo ao ponto final. E o ponto final é tão acessível, é uma pena eu também ter desaprendido a usá-lo...


* Bloínquês - Edição Musical


Olá você. Está aí um texto triste, sei que muita gente não gosta porque da falta de e viveram felizes para sempre..., mas enfim, eu acho interessante escrevê-los. Pela intensidade dos fatos, e pelo desafio de descrever situações que não cabem em mim. É claro que também gosto muito de escrever coisas doces, e na verdade eu não sigo uma linha contínua, vou escrevendo sem pretensões, ou padrões pré-determinados, e é isso.
Ah, e mais uma vez agradeço pelos comentários atenciosos que enfeitam o meu rosto com um sorriso. ^^

Um beijo.

11 comentários:

@juusep disse...

Algumas musicas marcam tanto que quando as coisas ficam tristes, tudo fica sem sentido, e a musica, ah a musica! Nossa, é meio estranho.

"Por que não podemos começar tudo de novo? - Essa é a minha pergunta irracional de todos os dias. " Verdade, :\\

Beijo [comentário mais confuso rs]

nara_jgs disse...

Músicas podem deixar tantas marcas quanto sentimentos, para o bem ou para o mal.
Então, você tem msn, orkut?
Gostaria de te adicionar.
Beijo (:

Jota disse...

A neném isso passa, até a uva passa não é mesmo.
Quando perdemos algo é natural que a dor venha e etc. Mas devemos lutar contra isso, uma vez que, se acabou, é porq teve um bom motivo. Enfim, um encanto suas palavras.

Beijos ;***

Gessy disse...

Talvez não faça sentido, mas esse texto me lembrou o livro "Na margem do Rio Piedra eu sentei e chorei".
"...pedindo aos quatro ventos para levar o seu nome para longe." E esse é um dos meus livros favoritos.

Enfim, gostei do seu texto. E apesar de não ser um final feliz, pode ser um final verdadeiro, não é mesmo?

Beijos.

Maiara disse...

Então Nara, tentei dar o feedback em teu blog, mas o teu perfil está restrito. Enfim, o meu msn e orkut estão ali em cima, na página Entre outras linhas.

Beijos.

Florisbella disse...

COMO eu entendo cada uma dessas linhas escritas por vc...
Esses pensamentos irracionais me atormentam todos os dias e pior, os atos irracionais também rs

Beijos da Flor

Fernand's disse...

as coisas nunca voltar a ser como foram um dia... infelizmente. só nos resta fazer um novo começo ou um novo fim.



bjsmeus

Fernand's disse...

sorry:

voltar = voltam

C. disse...

Eu adoro textos escritos com toda a emocao, e isso às vezes confunde quem nos lê, pensa que o protagonista somos nós e o momento vivido é nosso também.
Eu em momentos reais assim, prefiro nem me expor, essa é a diferença.

"E a porta aberta que você deixou foi o sinal da falta de amor."

Talvez nessa frase more o segredo... esse sinal, algumas vezes, é justamente o amor, e nao sua falta. Nao existe eternidades temporais no amor.

Gostei muito desse texto :-)

Te amo. Ainda. E sempre. disse...

LINDO LINDO LINDO

E eu faço a mesma pergunta todos os dias.

Elania disse...

A minha internet é tão boa, que eu tinha comentado ai ela simplesmente não funfou, pois é.
Falando novamente, eu achei triste e duro.
Pois só quem já passou e sentiiu isso, sabe como dói.
bj