terça-feira, 31 de maio de 2011

(É)terno

Já abri mão de qualquer explicação que caia como luva para esse sentir desmedido. Ando assim, sem ter o que falar, com muito o que sentir, e com todos esses sentidos cambaleando entre uma nuvem e outra - às vezes elas fazem chover, e às vezes elas alimentam a imaginação fazendo dedos apontarem para o céu. E quem nunca se sentiu assim? Quem nunca quis amar para a vida toda, e sentir de perto esse tal de sentimento terno? E será que dói? Será que é doce, ou vai deixar a língua pesada? E as tais borboletas no estômago, elas fazem mesmo aquele alvoroço?

Olha, o que tenho pra dizer é que de tudo na vida nunca me senti tão plena como me sinto agora. E a felicidade fez de mim tela branca, vem tingindo o meu retrato ao seu modo. Às vezes há borrões, quando a saudade mete-se entre uma tinta e outra. Mas de tudo há reparos, e o sorriso é estampado outra vez. E as borboletas no estômago para mim é apenas distração, não as sinto. O que sinto é a alma vibrando em si mesma, e o coração brincando de sambar. E tem aquele burburinho na espinha, que não sei como explicar.

E como entender a ternura desses dias de mãos dadas? Como entender que se é inteiro quando se faz do eu um nós, e do nós um eu? Não há entendimento que explore essas vertentes; não há palavra certa para dizer de uma vez só o que é sentir-se assim. É amor, é sim. Mas é mais que isso, é algo entre a existência; entre as diretrizes complexas da vida. E digo mais, é algo sobrenatural, que nos afasta da realidade sádica; algo simples, que se estende entre complexidades que às vezes inventamos, mas de todo o jeito, é simples; e é lindo. É algo assim, intangível; mágico; e acima de tudo, (é)terno.


Amor, você sabe, as minhas palavras estão gastas, maltrapilhas, quase enrugadas, todas acostumadas a servirem de alicerce para um pouco do tudo que se passa aqui por dentro; tudo o que um dia eu achei que seria impossível sentir, até você aparecer, e fazer de mim o seu mundo; e torna-se assim, o meu. E você sabe, eu te amo.

* De todas as minhas palavras doces, as mais tênues são dadas a você, Marcelo Fernando.

4 comentários:

Suzi disse...

E você está apaixonada como nunca!
Desejo tudo de bom para o casal! ^___^

Jaynne Santos disse...

Boa noite, estive realmente desaparecida daqui, mil 'perdões' Mai. Mas, me resgataram nos achados e perdidos. Haha.
Sinceramente, estou entre a razão e emoção aqui... Mente e coração em conflito. De qualquer forma, o raciocínio não explica e o sentimento não se fez palavras; nem mansa, nem brava.
Formulamos traços que são apenas vultos do corpo real. Palavras tem poder, machucam, erguem, transformam... Palavras não são sentimentos, mas tem o terrível dom de provocá-los e de destruí-los também. Palavra, arma forte, mas sua bala não sai do coração carregando o que há nele para os olhos sem sofrer distorções no caminho.

Estava realmente morrendo de saudades daqui...
Um beijo;

C. disse...

Amor é pra ser sentido, definitivamente, e nao explicado!
Que seja eterno enquanto dure, é lindo amar, é inesquecível!
Eu até me emocionei lendo...

Anônimo disse...

Nossa lindo tudo o q escreveu.... suas palavras se fazem as minhas... se me permiti vou enviar seu poema a minha namorada!! =) Para que ela possa entender o que eu tb não entendo, mas q vc conseguiu chegar breve a td q andamos vivendo. Parabéns por achar sua alma gêmea e conseguir traduzir um pouco do q sente em palavras!