domingo, 5 de junho de 2011

Somos


Separados, somos a cama gelada; somos a falta de café nas manhãs de segunda-feira; somos a amnésia do riso, e silêncio ferino; somos o escuro quando está iluminado, e chuva quando faz sol; somos olhos fechados inundados de saudade, e mãos desligadas que se inquietam; somos um nó folgado, e corações apertados; somos os créditos finais daquele filme antigo na TV que tanto me incomoda na tua ausência; somos telefones atentos, e memória aberta a qualquer movimento do mundo lá fora; somos um aqui-outro-lá; somos nada, somos separados.

Juntos, somos a cama aquecida; somos café quente nas manhãs de segunda-feira; somos risos incontroláveis, e silêncio dividido; somos luz quando está escuro, e sol quando chove; somos olhos mudos que conversam, e mãos que se ligam; somos um nó apertado, e corações aos pulos; somos aquele filme antigo na TV que nunca me canso de assistir com você; somos telefones desligados, e memória fechada para o mundo lá fora; somos nós, somos tudo, somos juntos.

De tudo, somos. Porque o plural sempre nos caiu bem.

17 comentários:

Gessy disse...

Que lindo! Com certeza no plural é sempre melhor, rs

. Nadine disse...

Além de agradecer pelos elogios no comentário, vim dizer que eu fico de boca aberta com as coisas que tu escreve, até em um comentário você diz coisas lindas *o*. Ah, e esse texto em menina?! A sós... "Somos nós"; esse plural é meu favorito.

Abraço forte!

Caroline Araújo disse...

Ah, Maiara, querida Mai! É com grande alegria que aprecio mais um belo texto seu, e não me canso de lê-lo e relê-lo com a calma e a atenção que tenho dedicado a pouquíssimas coisas. O modo como as suas palavras parecem se vestir de todos os sentimentos que lutam soltos, as vezes juntos, aqui dentro de mim é magnífico. Pergunto-me se elas me causam tamanho encanto por serem de fato tão cheias de uma beleza incomum, ou se é a saudade de vir aqui e repousar os meus olhos na transliteração de um dom tão admirável como o seu. Confesso que concluo ser os dois, sempre juntos; Pois ter de fechar a janela do seu blog é uma chuva tristonha e gélida, mas levar comigo as deliciosas palavras que sempre aqui encontro é um sol e tanto. E enquanto a saudade me esmaga o peito, como o nó apertado - que nunca afrouxa o laço -, conto os dias, as horas, os minutos para estar aqui de novo.
De quem muito lhe estima e nunca lhe esquece, Carol.
Grande beijo querida Mai.

Milene R. F. S. disse...

Juntos, é sempre tudo, quando o amor entra pela janela e nos ilumina no coração e nos inebria a alma... como é bom estar juntos e apaixonados! Lindo o teu texto, gostei de conhecer tuas entrelinhas, beijos!

Gabriel disse...

Muito bom...Parabéns pelo blog

Eduardo Santos disse...

Olá Maiara. Este "Somos" é revelador do talento que tem e que facilmente verte. Consegue um plural enriquecido em vários aspectos, parabéns por isso, mas sobretudo pelo espaço. Só posso incentivar a que continue e o faça ainda mais rico. Espero voltar.

Pedro Menuchelli disse...

"Porque o plural sempre nos caiu bem"

Dificil mesmo é saber até quando vai existir tal plural né? É complicado depois de um certo tempo ter que tentar se acostumar com as coisas falando de uma forma individualista, que é capaz de te fazer lembrar daqueles momentos mais distantes. Seria bom ter o plural pra sempre, pena que tudo tem seu fim.

Mai, muito belo texto novamente. Fico super feliz quando venho aqui, pois a reflexão é muito grande. Tenho muita felicidade em te seguir. Um grande beijo!

disse...

"o plural sempre nos caiu bem" ♥
Nossa, adorei esse texto! Achei muito interessante construir toda essa cumplicidade como plural, sai do lugar-(muito)-comum do amor como algo singular!
Curti muito seu blog também, flor, voltarei sempre!
beeijos

Jonas G. disse...

Valeu pelo comentário la no blog. Por essa descrição me parece que esses dois são um só e separados pode ser diferente, belos exemplos sobre duas pessoas juntas.
Concordo o plural é sempre melhor, e o pronome "nós" é perfeito para isso...

Jonas G. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mero Esmero disse...

Magistral. Belo olhar sobre as entrelinhas da alma humana. Cativante e comovente.

Fraterno Abraço
e
beijo terno

C. disse...

Coisa maravilhosa! Simples e profundo, em harmonia completa com a foto, Maiara!
Tao bom ser plural, mesmo sendo separados!

Déborah Arruda. disse...

Precisamos desse plural todo dia pra sermos dois em um, juntos, completos, inteiros.
Penso que ser singular, também é ser um pouco sozinho.
Belo escrito, Maiara.

Mero Esmero disse...

Há momentos que realmente só podem ser conjugados na primeira pessoa do plural.

Lindas as colocações desse texto!

Beijo terno e fraterno abraço!

Jaynne Santos disse...

Mai, suas palavras sempre me mostram algo novo, transformam o clichê numa dança nova, o ritmo é o mesmo, mas toda a coreografia foi [re]inventada. Ser escritor é isso, inventar uma nova forma de reinventar cada palavra e fazê-la nos conduzir a uma nova dança, onde cada uma dela, nos traz uma emoção diferente. Cheia de nós mesmo, cheia de você, cheia do novo... Cheia de um nós.
O plural sempre é convidativo. Não há felicidade que se encaixe num singular, porque ser feliz é ser completo e não somos completos sozinhos.

Grande beijo;

Laura K. disse...

Faz tempo que não sei o que é ser plural...

Indy. disse...

Que texto mais lindoooooooo!!
O melhor do diaa... *-*
com certeza o plural é bem melhor.. adorei.
tenha um bom final de semana, flor
bjs
=)