quinta-feira, 28 de julho de 2011

O segredo do Sol


Quis saber quais eram os segredos revelados pelo Sol quando encosta no mar. Lá ao longe -  horizonte -  quando desce devagar. Parece até que não quer ir; parece mais que quer voltar. Então se sentou na areia morna meio molhada, meio desenhada, meio parte de alguém que deixou pegadas.

Ouvidos atentos, rosto dourado, o céu já escorrendo o alaranjado.
Abraça as pernas e observa com cuidado, o Sol se esconde lá do outro lado. Coça os ouvidos, mas não ouve nada. Talvez devesse se aproximar...
Levanta, caminha até a água. O mar lambe os pés, e a brisa acaricia a alma. Já nem se importa por não ouvir quase nada. Se não fossem as gaivotas voltando pro ninho, e o mar quebrantando nas pedras, ouviria talvez o segredo do Sol. Foi o que pensou naquele dia, até perceber que o segredo era aquele, e mais nenhum.

Era sentir o calor dos últimos raios do dia; a água beijando os pés com alegria; a brisa mansa sacudindo a roupa; as gaivotas regressando pra casa; e o mar quebrantando nas pedras. Era todo o mundo que ali cabia; era o segredo que o Sol revelava nas entrelinhas.

6 comentários:

Mero Esmero disse...

As entrelinhas solares desde muito tempo trazem em si um fascínio muito grande. Que o diga Ícaro - que com suas asas de cera - tentou atingir as fronteiras aquecidas de um sol sonhador.
Belas palavras as suas... líricas, leves, iluminadas por um mágico poente de ideias.

Fraterno abraço e beijo terno!

Taynná disse...

E você com esse seu jeito prosa poética ritmada de escrever, tão doce, tão com cheiro de segredo que é contado ao pé do ouvido, como se o Sol viesse a abraçasse e narrasse o que sabe, tudo...
Adoro ler você, eu sumo, mas sempre que posso passo por aqui.
Não sei se você gosta de selos, mas indiquei o Entrelinhas, então tem selo pra você no Sucrilhos!
Parabéns por saber expressar tão bem suas entrelinhas!

http://sucrilhoseneuroses.blogspot.com/p/selos.html

C. disse...

Tudo tao simples mas tao complicado. Normalmente queremos saber segredos, sendo que os sinais estao todos à nossa frente.
Que o sol sempre brilhe pra você e a brisa sempre acaricie seu rosto trazendo suavidade nos seus dias, querida Mai.

Jaynne Santos disse...

"Era o segredo que o sol revelava nas entrelinhas..."
Segredos esses que no silêncio nos são contados. Nos gestos simples tão escassos de palavras. Segredos que não se verbalizam, apenas adentram com calma nossa caixinha de sete chaves.
Não existe explicação e essa também não é necessária, porque segredo de verdade, é esse que nos revela a alma e, alma não se explica, sente...

Um texto doce, meigo. Um segredo para ser guardado.

Beijo Mai.
E volto.

Minne disse...

Maiara, tu não sabes a paz que me transmitiu com esse texto. Nem eu poderia falar, sim, eu pude sentir a água do mar azul banhando-me os pés, com calma, num vai e vem nunca cansativo, o vento me acariciando a pele, todo esse carinho que a natureza nos faz, e pude também me revoltar com todo o desprezo que ela recebe de algun "humanos". Lindo texto, belas palavras, um conjunto maravilhoso, transimte tanta paz...

Maria Beatriz de Castro disse...

Que texto mais delicado e sensível! Me imaginei em cada palavra! Quase senti o mar, haha! Ficou muito fofo, e profundo mesmo, digno de uma escritora.

Desculpe a demora pra vir aqui, fiquei uma semana afastada do blog mas já voltei!
Beijinho

http://biacentrismo.blogspot.com/2011/07/contadora-de-historias.html