quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Céu e Mar


Fico aqui olhando as malas espalhadas derramando saudade por todo o lugar, principalmente por mim. Uma semana bem aproveitada, com minhas mãos dentro das suas e aquela imagem de céu e mar. Ainda sinto a areia entre os dedos, o calor cobrindo o corpo e o vento nos cabelos. Voltar: está aí o verbo colocado numa futura conjugação, e precisa ser conjugal, porque assim é que tem graça. Você, eu, e os bons de alma, que é pra não faltar felicidade de fim de tarde. 
Deixo aqui a minha gratidão pela beleza que morou em meus olhos, e ainda mora, porque o esquecer se perdeu de vista, foi levado pelas ondas revoltas daquela imensidão azul.

4 comentários:

Mero Esmero disse...

Muito boa essa crônica a trazer em si uma crônica saudade de algo ou alguém que ficou... mas - em verdade - está contigo: tatuado em seu coração.
Bom notar que em algum lugar ainda tremula a chama de um amor tão verdadeiro!

Fraterno Abraço!

Deyse Batista disse...

Uma forma linda de agradecimento, essa que você organizou com belas palavras e um sentimento que transborda. E o mar sempre me comove. Ele, por si só, já engrandece minha alma.
Gostei muito do seu cantinho.
Beijos, Deyse.

Jonas Gonçalves disse...

Temos que tranquilizar o coração para pensar bem no que vamos dizer quando reencontrarmos o nosso amor antigo.

Lindo texto!

Pâmella Ferracini disse...

Que palavras doces, nossa, que ternura.

Beijo linda (: