sábado, 12 de maio de 2012

Discrepância do destino



As janelas iam diminuindo enquanto eu me distanciava, as portas iam diminuindo, tornaram-se uma mancha. Uma mancha simples, como aquelas que por descuido sujam a camiseta branca. Depois nem isso parecia, era só um vulto que se reduziu a nada ao virar a esquina.

Da janela tudo parecia correr em sentido contrário, tudo ia ficando para trás. As árvores, a grama, as manchas. Quando rompi a barreira entre ali e lá o coração reclamou, apertou no fundo do peito, senti o aperto também na garganta. Fui. Malas, livros, recordações. Fui. Mas em suma, fiquei. Porque eu era as janelas, as portas, as árvores, a grama, as manchas. Eu era aquele pedaço de terra visto de lá, e aquelas pessoas que me cabiam ali.

6 comentários:

Mari disse...

Por que insistimos em deixar pedaços de nossas almas em meros objetos? Mesmo sabendo que tudo passa um dia, que a vida é feita de idas e vindas, deixamos fragmentos do coração nas janelas, nas portas... nas pessoas. Vai entender todo esse apego. Lindíssimo texto, moça.

Gabriele Santos disse...

Menina *-*
Quanto tempo não v enho aqui. Peço desculpas pelo desleixo, mas estou de volta \oo/. Bom saber que tuas palavras ainda continuam tão intensas e encantadoras.
--
Não sei como isso acontece, mas sempre deixamos uma parte de nós pelos lugares que passamos e nas pessoas que passam por nós.

Ana Carolina Lima Da Rosa disse...

lindo texto *-*

Amanda Cristine disse...

Que texto lindo, moça. Muitas vezes, nós partimos, mas deixamos pedaço de nós ou de nosso coração em lugares que nos fazem feliz. São disso que nós, e nossos sonhos são feitos. De coisas boas, locais bons, lembranças boas que nos fazem felizes.
Amei.
Beijos, uma ótima semana!
Amanda - Doce Diário

Livany Nunes disse...

"Fui. Mas em suma, fiquei."

Muitas vezes somos obrigadas a partir, e deixar para trás um pedaço de nós... Já que ali foi onde criamos raízes.


Antes do Salto || Facebook

PS: Seguindo aqui flor, da uma passada lá no blog você vai adorar!

vell disse...

Esse post me lembrou "Sétimo Andar" baixinha. Amei como sempre aliás.

Um cheiro!