domingo, 26 de agosto de 2012

Plataforma 7


Ando envolta nessa filosofia paradoxal de flor-do-vento: Por mais que alguém rompa distâncias, esse alguém jamais deixará de ser também as suas raízes, aquelas fincadas lá, no começo de tudo.

Ando tropeçando numa nostalgia e outra, catando meus trapinhos de saudade aqui e ali, e para ser sincera, eles estão por todo o lugar. Me seguem, me vigiam, me entorpecem. Fico pairando nesse ambiente hostil, levando tudo do jeito que me convém, e suspirando entre uma saudade e outra. Já estou cantando esse refrão cheio de nostalgia de tanto colocar nessas linhas essa saudade toda, tão densa, tão saudade de quem tem peito grande demais e sempre cabe mais um pouco.

E mais uma vez me vejo lá deixando a plataforma 7, vendo tudo em volta passar, e na realidade sou eu é quem passo há alguns quilômetros por hora, limpando a lágrima filha única dos olhos que queimam conformados com todo esse cambalear nas oscilações do vento. Fragilidade nunca foi o meu forte, mas agora, o meu forte tem sido ser assim, esse alguém profundamente profundo que chora com toda e qualquer despedida.  

No fim me apego ao meu conceito de flor de vento - do vento que passa e leva, e na esquina do mundo faz voltar pra mostrar que a vida é mesmo tudo isso, todo esse ir e vir desenfreado. Me consolo enquanto afago essas minhas raízes tão fundas - profundas em mim. 

3 comentários:

Déborah Arruda. disse...

Você é sempre muito intensa, moça. Gosto da forma como tua escrita é envolta de mistérios e ao mesmo tempo tão exposta! De uma lindeza enorme...

Nina disse...

Há algo de muito denso (e intenso) nesse teu texto. Mas somos bipolares e, consequentemente, formados por paradoxos diversos.
Você não está só.
Abraços.

Cynthia Brito disse...

Tão bom mergulhar na profundeza de sua escrita! Por isso que adoro vir aqui e contemplar tão de perto seu jeito poético de costurar palavras! De uma forma muito bela você permite que elas tragam um sentindo suave ao coração de cada leitor.

Sempre que chego aqui tem algo novo muito intenso a me esperar! É uma pena que eu tenha me afastado... sei que perdi bastante! Mas aos poucos estou visitando os primeiros blogs que conquistaram meu olhar! E lógico, o seu não podia faltar, né? rsrsrs

O antigo "Entrelinhas" tá de cara nova, é verdade. Mas a essência é a mesma: Maiara Bomfim!

De certa forma tô me sentindo como que pela primeira vez a visitar um blog seu, por isso quero desejar parabéns pela sua dedicação com o blog e pelo seu jeito meigo de fazer poesia e encanto!

Beijos! Fica com Deus.