quarta-feira, 3 de abril de 2013

Aqui comigo


Traga-me suas lembranças. Sente-se ao meu lado e junte seus recortes aos meus. Cruzemos nostalgias e mergulhemos na melancolia de outrora. Estou entorpecida até o último fio de cabelo. Vamos embaralhar nossos planos, engavetemo-nos em segredo tudo o que nos é precioso.Vamos falar baixinho à felicidade, porque o mundo nos espreita.

Sustentamos o olhar, mas não temos palavras, todas elas se foram. Mas fiquemos assim. Tudo bem? Deixe que o silêncio dance em nossas cabeças. E toda a dor irá se esvair quando seus dedos laçarem os meus. Quando nos lábios encontrarmos confidências de amor. E não me importo mais com tudo o que nos impuseram. Tudo o que impusemos a nós mesmos.

Estávamos tão famintos em acertar que erramos em todas as tentativas, e quando começamos a ignorar, as mudanças passaram a viver em nossos dias. Mas deixemos estar, meu bem, pois o novo está nos dias que nos adormecem. Segure forte agora. Porque está vindo uma rajada de vento, eu sinto seus dedos frios afastarem lágrimas cansadas. Não se preocupe, nós estaremos de pé quando tudo desabar como sempre estivemos. Fique. Fique mesmo que precise ir. Porque nós nunca soubemos dizer adeus, e eu tenho um palpite de que jamais iremos aprender. Porque você sabe, a sua existência é estrada principal de meu destino.

3 comentários:

Déborah Arruda. disse...

Que doçura, Maiara! "o novo está nos dias que nos adormecem." Coisa bonita!

Fer Castro disse...

Lindo, lindo, lindo até dizer chega! Esse dividir, esse compartilhar é o que deixa mais serena a vida. Ter com que contar em todas as horas é regalia que nos deixa mais fortes não importa a ventania...

Arianne Barromeü disse...

Que saudade daqui! E, como sempre, me surpreendendo e me deixando com um sorriso lindo, sempre, sempre e sempre. A doçura aqui não enjoa, é perfeita. Fiquei apaixonada por esse texto, Mai. Tão lindo e tão calmo... Adorei!